sexta-feira, 4 de março de 2011

Baba Cósmica - O irmão caçula (e bastardo) dos Mamonas Assassinas


Ontem ou anteontem, sei lá, fez quinze anos (!!!) que os Mamonas Assassinas morreram, e isso me deu a sensação de estar velho pra cacete. Eu tinha 13 aninhos quando foi anunciada a morte do querido grupo no auge da sua carreira em um dia deprê no Domingo Legal (que no dia merecia ser chamado Domingo Ilegal). Enfim, o grupo trouxe tanta alegria para nós brasileiros, fez me interessar por Rock (comecei por eles sim, e daí?), que merecia ser escrito um post sobre eles. Mas como obviamente não teria mais novidades sobre eles, tudo o que tinha foi falado exautivamente no ano de 96, resolvi escrever sobre um ´´genérico`` (tô zoando mesmo hahahaha), o Baba Cósmica, grupo de moleques espinhentos que tiveram o nome mais evidenciado por causa do Mamonas, embora não tivesse muito a ver e nem ter feito um décimo de sucesso deles.

Baba cósmica, originalmente era um power trio (nome mais chiquezinho dado às banda de apenas três integrantes) formado por Pedro Knoedt (Guitarra e voz), Felipe Knoblitch (baixo) e Rafael Ramos (bateria), todos eles na faixa de 16 a 18 anos, que tocava uma espécie de hardcore melódico/ punk rock com letras babacas, mas que na época eu me amarrava mesmo assim. Para muitos, o tipo de som era considerado ´´Rock Danoninho`` ou Punk Rock Bubblegum`` (se você não sabe o sentido literal da palavra Bubblegum, saiba que é um tênis infantil), meu irmão me zoava por que eu gostava deles. Pouco após a era Mamonas começava a notar esse grupo, a partir música Sábado de Sol, que havia descoberto que era originalmente canção deles, pouco antes do Mamonas irem para o beléleu. Antes eu já sacava que eles abriam os shows dos Mamonas, e a julgar pelo nome achava que era uma banda bem parecida, e mais tarde fui perceber que era bem mais pesado e que de fato as semelhanças entre os grupos só se davam pela regravação piorada de Sábado de Sol, e a relação que o dois grupo tinham de descobertas e amizades (Rafael, baterista do baba, foi quem descobriu o som dos Mamonas e chorava para o pai contratá-los). Eles nunca quiseram ser os ´´Mamonas Assassinas 2``. Era de praxe na época fazer falsas citações de possíveis substitutos do finado grupo (até Raimundos (!!!) foi cogitado)  e Baba Cósmica foi o mais referenciado. O próprio Rafael Ramos ligou para a revista Showbiz para pedir que parassem com as comparações. E como minha memória é boa, eis umas frases que lembro serem ditas pelo grupo numa edição de Globinho, seção do jornal O Globo da época ´´Quem comprar o nosso disco achando que é igual o deles, vai ver que não é nada disso/ fazemos um som mais adolescente e menos pretensioso, não queremos estourar como eles/ a única semelhança entre o som deles e o nosso é que eles usavam o humor, mas grupos como Blitz e Ultraje a Rigor também usavam o humor``. Podemos asim dizer que o grupo tinha personalidade.

Com o grupo mais evidenciado, indo para programas como Xuxa Park ou Xuxa Hit, não lembro bem, mesmo eu só tendo conseguido assistir uma apresentação deles no programa da loira anos e anos mais tarde pelo Youtube, só se ouvia Sábado de Sol, parecia que o grupo só tinha essa música. Quando eu comprei o primeiro CD em 96 (Gororoba, pela Natasha Records) me amarrei ainda mais no Baba e passei assim a considerar o meu grupo favorito. Desde então, passei a me interessar mais por Rock e descobri que era o tipo de som que mais ia fazer parte da minha vida dali pra frente. Conheci um novo hit, uma Pedra No Meu Caminho, que mais tarde iria fazer sucesso no Top 20 MTV, embora eu não tivesse acompanhado a emissora na época e ter perdido muitas chances de assistir o videoclip, que para mim era uma raridade conseguir assiti-lo a partir do ano de 97. Mas muita gente não gostava deles, não pela música, mas por os acharem playboys e infantis, muita gente metia o pau no Rafael dizendo que o grupo só existia por que ele é filho do vice presidente da gravadora EMI Odeon, João Augusto de Macedo Soares.

Mas de fato o grupo nunca fez muito sucesso. Eram raras suas apresentações, tampouco ouvir falar de um show deles. Após dois anos sem notícia, sem matéria em revista ou jornal, eis que surge uma novidade; o grupo se preparava para lançar um novo CD, agora por uma gravadora diferente, produzido por Jack Endino, que já tinha produzido Titãs. Parecia que o grupo enfim ia deslanchar de vez. Pela mídia que falava mais do que sabia, Rafel Ramos agora era o vocalista e foi arranjado um substituto para ele, Alexandre Griva, amigo de infância de Rafael, e que mais tarde faria parte do Jimi James também como baterista. Estranhei Rafael Ramos passar a ser vocalista, se bem que desde a época que era um mero baterista era considerado o líder do Baba Cósmica, o que mais se destacava dos três, inclusive apresentava um programa na MTV ao lado de Adriane Galisteu, Quiz MTV. Tal destaque era imaginado por ele ser filho do vice presidente da EMI, e minha cabeça juvenil acreditava que o amigão do Rafa queria entrar para a banda também, e para não deixar o amigo na mão, Rafa aceitou ele como baterista, ficando assim sem função, e sobrando para ele apenas o vocais. ´´Vou fazer o que? Vou cantar. O Pedro já é guitarrista mesmo, não vai ficar sem função``. Hahaha, grupo de adolescente é foda.


Pedro Knoedt era um bom vocalista, de modo que não devia ser alterado. Ma no primeiro CD tinha duas músicas mais pesadas, com os vocais que lembrava do Marcelo D2 nos bons tempos do Plante Hemp, a Analbafeto, que eu adorava, e a Maricota, música sobre punheta, mas sem falar diretamente. Eu achava que o Pedro caprichava para ficar com uma voz mais pesada, mas lendo uma das poucas revistas do meu irmão que tinha matéria do Baba, a Dynamite, li que o Rafa que cantava as duas, e que isso deixava um ´´buraco`` nos shows, pois como ele cantava da bateria, não ficava ninguém na frente do palco cantando e ninguém sabia de onde vinha a voz. Hahahaha até hoje acho hilário lembrar dessa situação engraçada. Fato que, segundo Rafael, levou a procurarem um quarto integrante para ocupar a função de baterista, e partir para a função de vocalista ao lado de Pedro.






A mídia exagerava. Rafael Ramos NÃO SE TORNOU O PRINCIPAL VOCALISTA. No segundo disco (O que você quiser, lançado em 98) o vocalista principal continuava sendo o Pedro, e tecnicamente podemos dizer que Rafael Ramos só cantou quatro músicas e Alexandre Griva tocava bateria em quatro faixas, mesmo que em algumas outras ele tocasse outros instrumentos, como pandeirola, triângulo, chocalho.... Como podemo ver, Alexandre era só um quebra galho, e eu ficava imaginando como eles fariam nos shows, devia ser uma lambança só, ia ter neguinho parado no palco sem função. Mais uma vez, ´´grupo de adolescente é foda``. O que ajudou a crer que o Rafael se tornou o vocalista principal é ele ter cantado a canção que abre o segundo CD e dá título ao mesmo, que rendeu o único videoclip do disco. Na verdade todos os Babas cantavam nese novo disco, com excessão de Alexandre, cada um uma parte, mas se formos generalizar e contar o vocalistas principais de cada música, pensaremos desse jeito:

1 - O Que Você Quiser - Vocalista principal: Rafael Ramos.
2 - Sua Falta - Vocalista principal: Pedro Knoedt.
3 - Menininha - Vocalista principal: Pedro Knoedt.
4 - Borogodó - Vocalita principal: Pedro Knoedt.
5 - Se Ela Foi Embora - Vocalista principal: Rafael Ramos.
6 - Frankenstein - Vocalista principal: Pedro Knoedt.
7 - Ela - Vocalista principal: Felipe Knoblitch.
8 - Nem Com Tiro Eu Me Calo - Vocalista principal: Rafael Ramos.
9 - Thats What I Say -  Vocalista principal: Pedro Knoedt.
10 - ´´Estore`` Sua Cabeça - Vocalista principal: Rafael Ramos.
11 - Eu Te Odeio - Vocalista principal: Felipe Knoblitch.
12 - Pau Pereira - Vocalista principal: Pedo Knoedt.

Então, definiremos por cima que Pedro Knoedt cantou seis músicas, Rafael Ramos quatro e Felipe Knoblich duas. Hilário no encarte quando se referiam aos backings vocals como ´´gritos``. O único que cantava as músicas sozinho sem nenhum backing foi Felipe. Eu Te Odeio ele mesmo escreveu sozinho. No primeiro CD ele só cantava Era Uma Brabuleta, musiquinha bastarda escondida no finalzinho do CD, mas que era legal mesmo assim.


A voz do Rafael Ramos até que era bacana, pesada, gutural, grave, e dividia com Pedro músicas brilhantes, que alternavam entre o romance lírico e o rock pesado. Se Ela For Embora é um grande exemplo disso. O segundo e último CD aliás, é recheado de música boa, rock n roll dos bons, como eles mesmos se definiam: Punck Rock, Hardcore, Rap, Raga, Rock n Roll. Meu irmão até chegou a dizer ´´vou dar o braço a torcer, esse dico é bom``. Teve até uma múica composta por Cris Braun, que era amiga da mãe de Pedro (a cantora brasileira, não aquele cantor que bate em mulher), Frankenstein, um ska reggae suave, e deve ter sido lindo a cantora ver o filho da sua amiga cantando uma canção composta por ela com seus amigo de banda. Pena  que foi o último disco. Escutei-o exaustivamente a ponto de desejar um terceiro, mas sabia que era melhor esperar sentado, pois eles demoravam pra meirelles para lançar CD. O som do Baba era tão bom que até meus amigos para quem eu mostrava os CDs passavam a se amarrar também. Um ano depois do lançamento de O Que Você Quiser li no Globo uma parceria que eles estavam fazendo com Eduardo Duzeck, fazendo turnês juntos e até compartilhando o palco. Eduardo Duzeck chegou a gravar Sábado de Sol ao vivo e eu tenho esta peróla. Uma frase bonita que lembro de ter lido do Duzeck foi: ´´Se antes eu influenciava o Baba, hoje o Baba me influencia. Me dou bem com essa garotada de hoje``.

Comparação com outros grupos

Por ser um trio punkzinho, mesmo que Bubblegum, o Baba já foi apontado pela mídia como o Green Day brasileiro, assim como o Little Quail and The Mad Birds, trio de Brasília. Embora algumas semelhanças, um punk rock ligeiro e juvenil e letras escrachadas, o Baba era bem mais pesado. Tinha outras influências além do punk rock/ hardcore melódico.
As letras do Baba eram mais machistas do que punk. Nem pegavam pesado nas letras, e suas marcas principais registradas no dois CDs eram, além do chauvinismo adolescente, críticas contra o sistema policial (daqueles que dão dura em adolescentes mal criados), sempre empregando um diálogo entre um policial e um cívil, ode ao uso da maconha e problemas com vizinhos devido a sua sonzeira. A letra de Pau Pereira parece de música Axé, adaptada para o Rock n Roll.
Por que o grupo não fez mais sucesso não se sabe porque. Entre outras pérolas Rafael dizia que queria quebrar o recorde do Só Para Contrariar, mesmo que de sacanagem, e que a única pretensão que tinham era que escutassem o som nem que fosse para falar mal. Talvez eles não confiassem tanto em seu taco assim. Eles mesmo diziam que não queriam fazer sucesso, e se recusaram a aproveitar a chance que muito grupo adoraria, a de sucessores dos Mamonas Assassinas, embora tenha sido uma atitude bonita e positiva. Bom, talvez produtores não investissem no som do trio carioca. Para ser sincero, ouvi umas músicas de um show que o próprio Felipe disponibilizou na comunidade do Baba Cósmica no Orkut e me decepcionei. Teve músicas que nem reconheci de tão mal tocadas. Talvez tocar ao vivo não seja mesmo o forte do Baba. Certa vez Felipe Knoblitch disse que antes de lançarem o primeiro CD tinham feito apenas 12 shows.

Até mesmo matérias deles eram escassas. Acredito que o sucesso do grupo podia ser bem maior. Era tão pouco falado, que só mesmo quem tinha os CDs podia curtir o grupo. Ainda sobre a matéria na revista Dynamite Rafael disse que se não tivessem tido tanto problema podiam ter vendido bem mais no primeiro CD ( qua até o momento tinham vendido algo em torno dos 40 mil). E que problemas eram esses que podiam afetar o rendimento do grupo? Problemas de adolescente, de namorada, com o pais, de escola, de faculdade, talvez. Pela terceira vez, grupo de adolescente é foda.

Concluindo, ainda na época do primeiro CD, nesse lance da ligação com o Mamonas, diziam que a platéia dos shows eram em sua maioria compotas por mulheres e adolescentes, e que o assédio era grande, e que no segundo CD já estava ´´mais devagar``, provavelmente por que a fama já estava se esvaindo antes mesmo de seu fim oficial. Pelo que me parece, Baba Cósmica já tinha acabado antes e retornado, e certa vez, Rafael Ramos, que sempre dizia que seu Baba Cósmica ´´é o melhor grupo do mundo`` disse no programa do João Gordo anos atrás que não voltava mais não, e que o grupo era muito ruim. Produtor musical desde o tempos de banda, disse que não ouve mais nenhum de seus dois CDs, pois segundo ele ´´iria acabar achando defeito em tudo``. E por que será que as minas eram taradas por esses caras? Achariam eles mais para Boy Band do que para roqueiros do punk rock/ hardcore? Seja como for, Baba agora é coisa do passado. Pedro Knoedt pelo que sei se tornou contador e trabalha na Petrobrás, Felipe Knoblitch se formou em advocacia e continua tocando, não mais rock n roll, mas samba pop, tipo Jorge Benjor, como ele mesmo disse uma vez, não se afastando da música, e Rafael Ramos continua firme e forte em sua carreira como produtor musical, seguindo os passos do pai. 
E se você não teve oportunidade de conhecer esse grupo bacana, vá atrás dos CDs. Dos downloads. Assim é mais fácil de achar.

Assista aos videoclips da banda. Uma Pedra no Meu Caminho (Gororoba, 96) e O Que Você Quiser (O Que Você Quiser, 98). Juro que tentei achar Sábado de Sol, mas não consegui, parece que o vídeo foi deletado do Youtube, o que é uma pena. Era um clip legal, trashão mesmo, o primeiro da banda, provavelmente filmado em VHS.







quinta-feira, 3 de março de 2011

Paralelo de Comparação - A Hora do Pesadelo



video


Como purista que sou, não gostei da versão atual de A Hora do Pesadelo. Remakes só servem para levar um clássico à lama. Mas também não sou radical, vamos celebrar a iniciativa de levarem às telas novamente nosso psycho pedófilo flamenguista, esquecendo detalhes que foram deixado de fora e ingredientes modernos adicionais como busca de possíveis vítimas pela internet e o vlog de uma delas, que rendeu um grande furo por sinal, um rapazinho acabou filmando sua morte e o vídeo foi parar Deus sabe como na sua página pessoal. Será que teremos outras versões de A Hora do Pesadelo? Tomara que não. Como se Freddy Krueger já não tivesse tido filme demais (A Hora do Pesadelo chegou a sua sétima continuação). Isso sem contar os Freeddys versus Jasons da vida. Nada a ver. O que salva da versão atual foi terem mostrado a morte da estrela dos pesadelos adolescentes quando ainda era um mero pedófilo jardineiro.

Ps: Esse vídeo tá no Youtube, mas claro que o site não ia deixar eu postar aqui. Mas beleza, já tô acostumado.

Dica de carnaval

Power Rangers pagodeiros


Estou vacinado, nunca compro CD que tenha mais de cinco pessoas, algumas sorrindo, na capa.

quarta-feira, 2 de março de 2011

Sandy agora é uma mulher adulta. Oba!!!


                      Essa pose de adulta e segurando um copo de cerveja ficou um tesãozinho.



Nunca tinha reparado, mas até que Sandy é um mulherão. Ainda mais agora quando ela apareceu loira, de cabelo mais moderno e ocupando o lugar da nossa deusa Paris Hilton como garota propaganda da cerveja Devassa. À primeira vista é estranho vê-la loira, maior galera acha que ficou esquisito, mas mesmo diferente me amarrei, afinal sou chegado numa loira, não importa se falsificada ou visivelmente artificial, o que estranhei mesmo é vê-la como garota propaganda de cerveja. Sério, nunca imaginei ver essa mina fazendo propaganda de bebida alcóllica, ainda mais dando uma da ´´Devassa`` da vez, linda e loira. Sinal de que a menininha enfim é uma mulher de verdade, já era hora,  mas sensual como a Paris ela não é. Sinceramente eu preferia a Paris como Devassa, e por mim ela seria invicta como a loira Devassa mais amada do mundo, mas como mulher nunca é demais, deixemos a mocinha certinha dar uma de rainha do camarote vip da cerveja, embora sabendo de antemão que a Paris é sempre foda, fez uma mina carola virar devassa e pintar seus cabelos da cor da rainha de verdade, fazendo comercial de um produto que se ela dissesse que era fruto do pecado acreditaríamos. Por essa razão a Paris continua sendo nossa rainha imbatível.
Mas vamos ser racionais, passado o carnaval ela já estará com seus costumeiros cabelos, e dará adeus à imagem da ´´Devassa`` do ano. Vai dizer mesmo que ela consome esse produto? É como um machão fazer comercial de modess. Mas é legal ver uma mina crescer se alimentando de resquícios de minas poderosas  e se aproximar ao menos um tiquinho delas. 

Rebelde brasileira? Essa eu quero ver

Dia 21 de março estréia na Record a versão brazuca da novelinha mexicana Rebelde (RBD é o nome da banda), que fez sucesso estrondoso em 2005/ 2006 no SBT. Ao contrário da maioria do homens da minha idade, não sou daqueles que repudiam a novelinha adolescente, pelo contrário, aprendi a sentir um carinho pela série rocambolesca que não acabava nunca, personagens espinhudos e problemáticos, a dublagem rizível, as minas show de bola... e além de tudo gosto das músicas. Comecei a assistir mais atentamente a série quando estive internado no hospital em 2006, diante da possibilidade de ter uma infecção na perna, e desde então vez ou outra eu espiava uns capítulos, mas não sempre, até o final. Foi capítulo pra caramba, bem mais que o necessário, enrolação pura. Muitas meninas que hoje em dia pegaram nojo do caras os idolatravam pela música, não pela novela, que julgavam ruim pra cacete. Mas mesmo assim, o trash, os elementos típicos mexicanos, o tempero jovem e americanizado e a fotografia branca e vermelha marcaram a lembrança de mais uma novela entre a parceria Televisa (que o símbolo parece o da Band) e Sílvio Santos. 
Como a maioria das coisas que faz sucesso gera imitadores, agora vem uma versão com tempero nacional da novelinha mexicana, feita para Record. Pelo que parece vai ser algo como Betty, A Feia, que além da original colombiana teve uma versão mexicana, brasileira e até americana. Lembro de ter ouvido falar de Alta Estação, que eu nunca assisti, tentativa frustrada da Record de ter em sua grade uma série estilo Malhação, mas de repente sua chance vai ser só agora, com a nova Rebelde. O que até agora sei é que tem o Luciano (Micael Borges) e Felipa (Sophia Abrahao) da Malhação 2009/ 2010. E pensar que Rebelde era considerada uma certa rival da Malhação, pela trama juvenil e colegial, tendo sua preferência discutida pelos aborrescentes. Essa ´´brasileiração`` dos seriados juvenis e musicais me faz lembrar do ´´nosso`` High School Musical, O Desafio. Será que as músicas cantadas pelo elenco nacional vai lembrar as cantadas em castelliano? E a trama, seria baseada fielmente ao seriado original? Bom, se for igual Malhação certamente vai ser bem parecido.

Observe os dois elencos e veja se não são bem parecidos.

Rebelde original.

Rebelde brasileira


segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Grandes encontros dos Super Heróis



Um episódio clássico de todos os Power Rangers que passaram aqui (diga-se de passagem, os Power Rangers para nós é como uma Malhação das estrangeiras, não acaba nunca) é o crossover entre os heróis de capacete e colant colorido e as Tartarugas Ninja. Há tempos vinha tentando achar e recentemente, graças ao Youtube, encontrei esse bendito episódio. É claro que esses Power Rangers não são mais os meus de adolescência, era bom quando tinha o Jason, o Zach, o Billy, o Tommy, a Trini e a gatinha Kimberlly, e a vilã Rita Repulsa, baseada na bruxa verde do Mágico de Oz, mas tá valendo, afinal, as Tartarugas eram uns dos meus heróis da infância e foi legal pra caramba vê-las participando de um episódio de uma série que antes parecia improvável que elas dessem as caras. Para você que não viu, não acreditou quando te disseram e até hoje achava que era boato, divirta-se com um dos encontros que eu considero sem exagero um crossover clássico no mundo dos heróis, mais até do que os manjadíssimos encontros entre marvetes e decenautas. 

Parte 1

Parte 2

Parte 3

Pena que uma bicha do Youtube impediu a incorporação dos vídeos, senão eu postava aqui. Mas só o fato do ter deixado lá já é boa coisa. 

Curiosidade: Minha namorada disse que na verdade as Tartarugas Ninja não são Tartarugas e sim jabutis, pois as tartarugas de verdade tem nadadeiras, e os dedos das nossas tartarugas são separados. Mas você tá lendo isso? Aproveita o vídeo, mané.

Flagrante


Eis um retrato da traição.

Linda cena de novela



Não sou chegado em novela, mas essa cena de Mutantes da Record é muito linda!!!!!!!!!!! Cena assim me deixa até apaixonado.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...